30 de jul de 2012

Existe mesmo TPM ?



logico , isso se deve devido aos harmoninos liberados pela menstruação !

É uma experiência muito comum, com manifestações de sintomas tanto físicos quanto psicológicos. A mulher que sofre de TPM fica sujeita, antes do ciclo menstrual, a alterações de humor. Aproximadamente, uma em quatro mulheres fica ansiosa ou deprimida nessa época e, às vezes, irritadiça e até mesmo agressiva. Mamas, mãos, tornozelos e pés inchados, além de mamas doloridas,são sintomas físicos pré-menstruais familiares. Muitas mulheres também têm cólicas durante a menstruação. Os efeitos desses sintomas variam enormemente de mulher para mulher. Algumas ficam inteiramente prostradas por sintomas que outras ignoram; às vezes, uma mulher tem problemas mais sérios que a levam a se concentrar nas suas reações à menstruação e, dessa forma , experimentam os sintomas de um modo mais agudo.
Para certas mulheres, os sintomas físicos e psíquicos pré-menstruais pertubam tanto que, em consequência, o relacionamento com as outras pessoas fica prejudicado, a saúde se ressente e a capacidade de levar uma vida normal fica seriamente comprometida. A principal preocupação é que para grande parte de mulheres o ciclo menstrual é inevitável. Acontece todo mês, e assim ela fica tensa e ansiosa pensando nos prováveis efeitos que terá em seu organismo, e essa tensão só vai piorar a situação, e assim por diante, estabelecendo-se um círculo vicioso.
Diversas teorias procuram explicar por que algumas mulheres sofrem de TPM. A mais amplamente aceita baseia-se no fato de que a menstruação é controlada pela liberação de dois hormônios sexuais, oestrógeno e a progesterona .Estes são liberados todo mês e considera-se que as mudanças acarretadas no organismo feminino afetam não apenas os órgãos sexuais (eles estimulam os ovários a liberar um óvulo, e o útero, a desenvolver um revestimento suficientemente nutritivo para que um óvulo fertilizado se fixe aí, mas também outras partes do corpo e igualmente as emoções.

                                                                                                       ThaysaR.

Nenhum comentário:

Postar um comentário